O Bahiadoc apresenta o documentário “hera”, que retrata um importante capítulo da poesia baiana

 

A REVISTA

A revista Hera, criada no início da década de 70, engendrou uma importante movimentação literário-cultural em Feira de Santana, com destacada reverberação na Bahia e importante repercussão nacional. A revista surgiu a partir do incentivo do professor, escritor e poeta Antônio Brasileiro, que editou escritos de cinco estudantes do ensino médio do Colégio Estadual de Feira de Santana. O primeiro número, lançado em dezembro de 1972 (com data de janeiro de 1973), reuniu contos de Antonio Carlos Vilas Boas, Roque Portela, Roberval Pereyr, Washington Queiroz e Wilson Pereira, co-fundadores de “Hera”.

Nos dois números seguintes (abril-1973 e outubro-1973), permanece o gênero conto. Do número quatro (junho-1974) ao número vinte (abril-2005) a revista Hera encontra a identidade pela qual é reconhecida, uma revista de poesia, com mais de 900 poemas publicados, de 100 autores. Em 2011, através da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS Editora) e da Fundação Pedro Calmon, foi publicada a edição fac-similar que reúne, em um único volume, as vinte edições da revista, que saíram entre 1972 e 2005.

O PROCESSO DO DOCUMENTÁRIO

Nós, editores do Bahiadoc, fomos convidados por um dos poetas do grupo Hera para registrar o lançamento da edição fac-similar da revista, que viria a ser em 6 de dezembro de 2011, no Palácio da Aclamação, em Salvador. Depois de breves conversas com o poeta, sentimo-nos atraídos pelo instigante universo poético e cultural que a história do grupo trazia intimamente em si: um grupo de amigos, um grupo de poetas, um grupo de conflitos. Decidimos conhecer mais proximamente a poesia que se manifestou através do grupo, e mais além, saber das pessoas por trás dos poetas.

O documentário “hera”, entretanto, não ousa desvendá-las, mas se constitui como um exercício de aproximação, através da linguagem audiovisual. O caráter autoral quase sempre caracteriza a obra audiovisual documental, mas neste caso, os sujeitos do documentário – isto é, os próprios poetas e as suas relações com a poesia e com o mundo – conformam a substância do documentário. Aos autores, coube a difícil tarefa de organizar as breves mas ricas vivências registradas em vídeo, e sobretudo a grata missão de transmitir, da forma que nos foi possível, a dimensão da experiência.

Várias razões, além da importância cultural do grupo Hera e de sua vibrante dimensão poética, justificam o nosso esforço de realizar o registro simbólico que ora apresentamos. Mas é lícito que reforcemos, afinal, que a essência da poesia – como manifestação humana do sentimento traduzido em imagem através da linguagem – compõe fundamental substância para a criação estética audiovisual, mote e razão da relação que nós do Bahiadoc – arte documento queremos construir com nosso público potencial e com os novos agentes criativos do cenário baiano independente de audiovisual, ajudando a difundir e potencializar realizações que contemplem olhares autorais sobre as nossas realidades e que valorizem e se aproximem da rica história cultural baiana.

O documentário “hera”, portanto, não busca reportar a história do grupo: em lugar de uma reportagem ou um recorte informativo/estético, o doc propõe uma imersão na atmosfera poética de cada momento, de cada diálogo, de cada silêncio.

Por fim, realizamos o documentário sem o aporte de patrocínios. Contamos com o apoio da DIMAS – Diretoria de Audiovisual e Multimeios da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), que através do Núcleo de apoio à produção, o NAP, disponibilizou equipamento e dois técnicos cinegrafistas. O Goethe Institut (ICBA), por sua vez, cedeu o espaço para a exibição do documentário, em caráter especial, com a presença dos poetas participantes. A exibição, aberta ao público e com entrada franca, ocorreu em 9 de março de 2012.

Se realizamos o documentário “hera” sem patrocínio, o esforço se deu pelo encanto que o tema despertou em nós e, sobretudo, pela relevância cultural e histórica que a revista Hera alcançou no cenário cultural baiano – as memórias passam e não podem esperar. Entretanto, defendemos enfaticamente a importância das políticas públicas culturais que estimulem produções que resgatem e promovam as diversas dimensões de nossa história cultural e artística. Não nos sentimos confortáveis em esperar por tais políticas, mas nos sentimos no dever de nos manifestar sobre a urgência e necessidade delas, o que nos possibilitaria – e também a outros – realizar um trabalho sob melhores condições estruturais. Cremos que o doc “hera”, mesmo assim, alcança algum êxito ao trazer à público, para livre acesso, um recorte de um belo momento da poesia.

Publicado por fabricio ramos

um processo...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: