Iniciativa de apoio ao curta “As Cruzes e os Credos”. Participe!

Fabricio Ramos e Camele Queiroz convidam os amigos (conhecidos e não conhecidos) a apoiarem parcialmente a viabilização do curta As Cruzes e os Credos,  através de cota de patrocínio de valor fixo: R$ 20,00.

“Nós, realizadores, já contamos com apoio para a filmagem, com hospedagem solidária e outras estruturas, restando apenas aportar recursos para custear parcialmente a nossa viagem a Ilhéus. Este é o propósito desta iniciativa. Apoiar o projeto é apoiar a reflexão acerca de nossa cultura e história (veja a contrapartida prática e instruções gerais mais abaixo). Temos uma página no Facebook para marcar a colaboração como participação no “Evento”.

As colaborações podem ser feitas até 20/11. No vídeo abaixo, Fabricio resume a ideia do projeto:

O QUÊ APOIAR:
Projeto de curta documental (20min) com título provisório “As cruzes e os credos”, com concepção e direção de Fabricio Ramos e Camele Queiroz.

RESUMO DO PROJETO: Em 2003, em Ilhéus, Fabricio Ramos realizou um curta que propunha uma reflexão sobre nossas relações entre o Sagrado, o místico, a História e a Política, a partir de dois eventos que marcaram a cidade de Ilhéus: a morte, em dias imediatamente consecutivos, de dois ícones religiosos, um da Igreja católica, outro do Candomblé, um de “morte morrida”, outro de “morte matada”. A ideia é voltar a Ilhéus e fazer outro filme resgatando a memória desses eventos, aproximando-se dos conflitos e interações que marcam as relações de nossa mística de raiz afroíndia e de nossa mística cristã de raiz europeia colonizadora.

RESUMO DO CONTEXTO: Nos dias 13 e 14 de fevereiro de 2003, morreram em Ilhéus respectivamente Pedro Farias, o babalorixá Pai Pedro, assassinado na porta de sua residência/terreiro, no Bairro do Basílio; e o Bispo Emérito da cidade, Dom Valfredo Tepe, que morreu “enquanto dormia”. Ambos eram muito queridos na cidade de Ilhéus, em todas as camadas sociais, sobretudo nas camadas populares. Em Ilhéus, conversaremos com o Padre Nildemar e com o Padre Cristo, ambos amigos tanto de Pai Pedro quanto de Dom Tepe. Visitaremos o terreiro de Pai Pedro, conversaremos com moradores do Basílio (bairro cujo um fundadores foi Pai Pedro), e visitaremos também o Kàwé – Núcleo de Estudos Afro-Baianos Regionais, da UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz, em Ilhéus.

POR QUE APOIAR:
A comoção popular foi muito grande na cidade: tanto Pai Pedro quanto Dom Tepe gozavam de imenso prestígio. Contudo, somente Dom Tepe contou com cortejo em carros de bombeiros e com decreto de três dias de luto oficial por parte da prefeitura. A Lavagem da catedral de São Sebastião, feita por adeptos do Candomblé, encontra as portas da Igreja fechadas, porque esta considera pagã a manifestação. Quando os eventos aconteceram, Fabricio Ramos morava em Itabuna e estudava na UESC, em Ilhéus, e filmou um curta a partir da repercussão das mortes de Pai Pedro e Dom Tepe. Durante o processo de filmagem e nas conversas com padres, filhos de santo e moradores de Ilhéus, Fabricio notou uma certa marginalização do Candomblé quando confrontado com a oficialidade dedicada à Igreja Católica, manifestada nos funerais dos representantes religiosos. Tais conflitos e interações levantam amplas reflexões que remetem a nossa relação com o sagrado em suas perspectivas religiosas, históricas e também políticas. É um tema potente que, a partir de Ilhéus e resgatando a história recente da cidade, pode comunicar com o Brasil inteiro. Nós, realizadores, já contamos com apoio para a filmagem, com hospedagem solidária e outras estruturas, restando apenas aportar recursos para custear parcialmente a nossa viagem a Ilhéus. Este é o propósito desta iniciativa. Apoiar o projeto é apoiar a reflexão acerca de nossa cultura e história (veja a contrapartida prática mais abaixo).

COMO APOIAR:
As cotas de patrocínio são fixadas no valor de R$ 20,00 (vinte reais) por pessoa (sendo livre o aporte de outros valores). Para apoiar basta clicar em “participar do evento”, fazer o depósito ou transferência de sua cota de patrocínio na seguinte conta:

Titular: Fabricio Silva Ramos

Banco do Brasil
Agência: 2799-5
Conta Corrente: 19392-5

E enviar email para contato@bahiadoc.com.br com o assunto [apoio ao curta], indicando nome completo e dados de contato nas redes para que possamos manter contato, incluir o agradecimento no filme e convidar o apoiador para as sessões de exibição especial. Os colaboradores receberão informes periódicos sobre o andamento do trabalho.

CONTRAPARTIDAS PELO APOIO:
As contrapartidas são: inclusão do nome do apoiador nos créditos de agradecimento do filme; convite para exibições especiais com a presença dos realizadores para debate, críticas e conversa; uma cópia do filme em DVD, com estojo e capa personalizados (este último, caso alcancemos a meta de patrocínio). E, além de tudo, a nossa eterna gratidão e solicitude para intercâmbios.

META:
A nossa meta é alcançar, através dos patrocínios individuais, o valor de R$ 1.200,00 (Mil e duzentos reais) que serão aplicados em despesas com a viagem de Salvador a Ilhéus: transporte, combustível, logísticas básicas.

Para tirar qualquer dúvida ou enviar sugestões, entre em contato com Fabricio Ramos através do Facebook, ou do perfil do Bahiadoc Arte Documento, ou ainda pelo email: fabricio@bahiadoc.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s