Cine Odé – Cinema no Terreiro: a programação de MAIO exibe o filme “Orí”, de Raquel Gerber

MAIO cine odéEm MAIO, as sessões do Cine Odé – Cinema no Terreiro, no Terreiro de Odé em Ilhéus/Ba, acontecem nos dias 28/5 e 29/5 (sábado e domingo, respectivamente), sempre às 17h. O Terreiro de Odé, fundado por Pai Pedro Faria, fica no Bairro Alto do Basílio. A mostra, que começou em janeiro e vai até junho, tem a  proposta de tornar o Terreiro de Odé um espaço cultural voltado para o cinema, com sessões mensais gratuitas que estimulam a valorização e o conhecimento das culturas religiosas brasileiras de matrizes africanas e indígenas. Saiba mais sobre o contexto do Cine Odé no Terreiro fundado por Pedro Faria: Clique aqui. Acompanhe pela página da Mostra no Facebook: Clique aqui.

Os realizadores e curadores da mostra são Fabrício Ramos e Camele Queiroz, cineastas independentes baianos que escolheram exibir uma ampla e diversificada cinematografia baiana e brasileira, que inclui desde filmes consagrados até realizações independentes descobertas na internet.

Captura de Tela 2016-01-14 às 19.34.09Um lembrete: para facilitar o acesso ao Terreiro de Odé, local da Mostra, o Cine Odé oferece uma Van para levar e trazer os interessados até o ponto de ônibus próximo. Para informações, ligue (73) 98110-5773. A entrada é gratuita.

No sábado (28), serão exibidos os curtas “Candomblé: Paz e Fraternidade“, dirigido e produzido por Mirella Lima; e “Exu – Além do Bem e do Mal”, dirigido por Werner Salles Bagetti.

No domingo (29), será exibido o filme “Orí”. Lançado em 1989 pela cineasta e socióloga Raquel Gerber, o filme aborda a reconstrução da identidade negra no Brasil, documentando os movimentos negros brasileiros entre 1977 e 1988, buscando a relação entre Brasil e África, cujo fio condutor é a história pessoal de Beatriz Nascimento, historiadora e militante, falecida trágica e prematuramente no Rio de Janeiro, em 1995.

CONVIDADOS ESPECIAIS:

Como nas sessões anteriores, o Cine Odé traz convidados especiais para abrirem a roda de conversa após as exibições dos filmes. No sábado (28), a convidada será Karine Fênix, educadora, comunicóloga e pós-graduanda em gestão cultural. No domingo (29), o convidado será Lourival Piligra, professor, escritor, poeta e pesquisador.

SOBRE OS FILMES

EXU – Além do Bem e do Mal” (23min, 2013)

Captura de Tela 2016-05-14 às 11.36.43Dirigido por Werner Salles Bagetti, realiza uma imersão poética no tema Exu, um dos Orixás mais controversos. A câmera passeia pela cidade e captura silêncios, semblantes e vazios, antes de mergulhar no transe dos terreiros de Candomblé, Umbanda e Jurema Sagrada em celebração a Exu. Em paralelo, um discurso polifônico é construído com as vozes de especialistas do tema, em Alagoas e Pernambuco. Entre os entrevistados estão os babalorixás Manoel Papai, Pai Célio de Iemanjá, Pai Manoel do Xoroquê e o antropólogo pernambucano Roberto Motta. O projeto do filme foi contemplado no 2º Edital de Fomento à Produção Audiovisual de Alagoas em 2012.

Candomblé: Paz e Fraternidade” (21min, 2011)

Captura de Tela 2016-05-14 às 11.37.49Dirigido e produzido por Mirella Lima para a Faculdade Maurício de Nassau. Gravado em Recife, o curta entrevista adeptos do candomblé e estudiosos da religião para introduzir um painel histórico e, depois, uma reflexão sobre a perseguição e o preconceito, e também da resistência e luta de permanência, que marcam a história das religiões de matrizes africanas no Brasil. O filme menciona a importância dos Movimentos Negros na luta pelo reconhecimento cultural e religioso das manifestações afrobrasileiras. É aí que o curta se liga com o filme “Orí” de Raquel Gerber, o longa de nossa sessão de domingo, dia 29 de maio.

ORÍ, de Raquel Gerber

Captura de Tela 2016-05-14 às 10.49.24ORÍ (1989, 91 min., 35 mm) é o resultado de 11 anos de produção e filmagens no Brasil e na África junto a pesquisadores e historiadores e comunidades negras brasileiras. Sobre um panorama de um documento – história sobre os Movimentos Negros no Brasil (anos 1970/1980), o filme conta a história de uma mulher – Beatriz Nascimento – historiadora e militante, que busca sua identidade através da pesquisa da história dos “Quilombos” como estabelecimentos guerreiros e de resistência cultural, da África do século XV ao Brasil do século XX. Esta pesquisa revela a História dos povos bantus na América e seu herói civilizador Zumbi dos Palmares.

Raquel Gerber, cineasta, socióloga e historiadora, começou as filmagens de ORÍ em 1977 quando trabalhava com o fotógrafo e diretor Jorge Bodanzky. Trabalhou também com os diretores Hector Babenco, Orlando Senna e Glauber Rocha. Com Glauber, ente 1973 e 1980, fez pesquisa histórica, o que resultou em três livros sobre o Cinema Novo entre os quais: O Mito da Civilização Atlântica, Gláuber Rocha, Cinema, Política e a Estética do Inconsciente (tese apresentada na USP). Entre 1970 e 1980 fez crítica de cinema e ensaio para revistas e jornais nacionais e estrangeiros. Desde 1977 documentou a vida e a história de comunidades negras brasileiras. Para realizar o documentário ORÍ trabalhou junto a importantes africanistas brasileiros e Naná Vasconcéllos, percussionista brasileiro, na época radicado em Nova York.

Raquel Gerber realizou também, em co-direção com Cristina Amaral, o filme ABÁ, sobre a religião e a cosmogonia africanas, filme que foi exibido na sessão de fevereiro do Cine Odé.

Publicado por fabricio ramos

um processo...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: