Blog

Cinematógrafo na Saladearte de abril exibe “O Ódio”, de Kassovitz. Leia a nota dos curadores sobre o filme

Cinematógrafo na Saladearte de abril exibe “O Ódio”, de Kassovitz. Leia a nota dos curadores sobre o filme:

arte_documento

A sessão do Cinematógrafo de abril será no sábado, 28 de abril, às 16h30, na Saladearte – Cinema do Museu, que fica no Corredor da Vitória, em Salvador.

lahaine

Nota dos curadores Fabricio Ramos e Camele Queiroz:

Mathieu Kassovitz tinha 28 anos quando dirigiu La Haine (O Ódio) em 1995. O filme segue, ao longo de 24 horas pelas ruas de Paris, o itinerário de três jovens parisienses, Vinz (Vincent Cassel), Hubert (Hubert Koundé) e Said (Said Taghmaoui), o primeiro de ascendência judaica, o segundo de ascendência africana e o terceiro de origem árabe. Um trio de amigos que expressa um distópico melting pot de sobreviventes das sociedades pós-industriais imersos na crise do estado nação. Trata-se de um filme sobre jovens, mas também de um filme, em si, jovem, preocupado com os contextos imediatos de seu tempo e lugar: os distúrbios urbanos que incendiaram Paris em 1991 compõem o eixo temático…

Ver o post original 702 mais palavras

Anúncios

Quarto Camarim tem exibição em Aracaju no dia 28/4, pela Sessão Abraccine

A sessão Abraccine de Quarto Camarim em Aracaju será no dia 28 de abril de 2018, no Cine Vitória, às 17h.

ABRACCINE geral

Como parte da terceira edição da Sessão Abraccine, evento promovido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), o longa metragem Quarto Camarim, de Fabricio Ramos e Camele Queiroz, contemplada pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016, terá sua  exibição no dia 28 de abril, no Cine Vitória, em Aracaju, às 17h. 

Após participação em três festivais internacionais, com sessões ocorrendo na Venezuela, na República Dominicana e no Canadá, o filme participa de um ciclo de exibições que vem sendo realizadas em diversas capitais brasileiras. A Abraccine já realizou sessões de Quarto Camarim em Goiânia (GO), São Luís (MA), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Rio de janeiro (RJ), Salvador (BA), Belém (PA), Fortaleza (CE) e João Pessoa (PB). Outra capital já com data confirmada é Belo Horizonte, que terá sua sessão acontecendo em 27 de abril, no Cine Humberto Mauro, e em São Paulo, no Cine Sesc em 30 de abril. Ainda com datas a definir para o mesmo mês, a Sessão Abraccine acontecerá, também, em Brasília e Recife. Como parte dos eventos, debates com a presença de importantes nomes da crítica e o público presente serão realizados ao final de cada sessão.

Em Aracaju, o debate pós-sessão será mediado pela professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Suyene Correia Santos, e contará com a participação da assistente social, psicóloga e fundadora da UNIDAS – Associação de Travestis Unidas Pela Cidadania, Eliana Chagas Silva, bem como de Jessica Taylor dos Santos, integrante da Casa Janaina Dutra, instituição de suporte às trans vitima de violência.

Para o presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema, Paulo Henrique Silva, a Sessão Abraccine busca apresentar um olhar diversificado sobre os filmes. “A produção no país continua forte, mas a reflexão cinematográfica, fundamental para a construção de uma identidade brasileira nas telas, vem sofrendo um grande déficit, com filmes entrando e saindo de cartaz sem o devido debate”, afirma Paulo Henrique.

Sobre o filme

Captura de Tela 2017-07-19 às 20.46.43

Quarto Camarim é o primeiro longa-metragem dos diretores Camele Queiroz e Fabricio Ramos. O filme, por meio de uma abordagem documental, mostra o reencontro, depois de vinte e sete anos, entre uma sobrinha, que é a própria diretora, e a sua tia, com quem não manteve nenhum contato desde a sua infância. Sua tia se chama Luma, é travesti, trabalha como cabeleireira e vive em São Paulo.

Narrativamente, o filme assume contornos dramáticos e estéticos que partem de uma relação corpo a corpo entre duas individualidades, cujas tensões são mediadas pelo próprio cinema. O resultado, segundo a dupla de cineastas, é uma obra de mise-en-scène compartilhada entre a diretora e a tia, que protagonizam o longa. Sem abrir mão da abordagem temática sensível de impacto político e social, Quarto Camarim elabora cinematograficamente um testemunho de vivência pessoal e íntima.

Para a dupla de cineastas, a iniciativa da Sessão Abraccine tem um impacto de mudança de paradigma, num cenário no qual são conhecidas as imensas dificuldades que um longa independente enfrenta para obter visibilidade no cenário cultural. “Há uma dupla importância na ação da entidade que, além de promover o acesso a um público variado, de diferentes cidades em diferentes salas (um público provavelmente mais diversificado do aquele predominante nos festivais),valoriza o estatuto da crítica (eventualmente diminuído nos festivais pelas pressões naturais de curadorias e júris), aproximando a perspectiva da crítica à intervenção aberta do público, já que o evento estimula a participação do público nas conversas após cada sessão,com a presença de outros debatedores e mediadores além do próprio crítico de cinema”, afirmam Camele e Fabrício.

Sobre o Rumos Itaú Cultural

O Itaú Cultural mantém o programa Rumos desde 1997. Este que é um dos primeiros editais do Brasil para a produção e a difusão de trabalhos de artistas, produtores e pesquisadores brasileiros, já ultrapassou os 52 mil projetos inscritos vindos de todos os estados do país e do exterior. Destes, foram contempladas mais de 1,3 mil propostas nas cinco regiões brasileiras, que receberam o apoio do instituto para o desenvolvimento dos projetos selecionados nas mais diversas áreas de expressão ou de pesquisa.

Os trabalhos resultantes da seleção de todas as edições foram vistos por mais de 6 milhões de pessoas em todo o país. Além disso, mais de mil emissoras de rádio e televisão parceiras divulgaram os trabalhos selecionados.

Nesta edição de 2017-2018, os 12.616 projetos inscritos serão examinados, em uma primeira fase seletiva, por uma comissão composta por 40 avaliadores contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país.

Em seguida, passarão por um profundo processo de avaliação e análise por uma Comissão de Seleção multidisciplinar, formada por 22 profissionais que se inter-relacionam com a cultura brasileira, incluindo gestores da própria instituição.

 Sobre a mediadora e convidadas:

SUYENE CORREIA SANTOS: Jornalista, crítica de cinema e professora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFS e especialista em Jornalismo Cultural pela Universidade Tiradentes (UNIT). Trabalhou como repórter responsável pelo Caderno de Variedades do Jornal da Cidade (SE) de 2002 a 2015 e, em 2006, criou o blog cultural Bangalô Cult. É membro da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (ABRACCINE), tendo participado de júris em festivais nacionais e internacionais, a exemplo do Festival de Gramado, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival Audiovisual Mercosul e Festival Iberoamericano de Sergipe (Curta—SE). Ministra cursos e oficinas ligados à área de cinema.

ELIANA CHAGAS SILVA: Assistente social, psicóloga, fundadora da UNIDAS- Associação de Travestis Unidas na Luta Pela cidadania, Voluntária desde 1998. Realizando diversas atividades, acompanhando as Pessoas Trans em busca de seus Direitos civis e à Saúde. Desenvolve atividades assistenciais com PVHA – Pessoas Vivendo com HIV/AIDS desde 1996.  Realiza reuniões com essa população mensalmente, reforçando a adesão ao tratamento e orientando essa população para a busca de uma melhor qualidade no tratamento do HIV/AIDS

JESSICA TAYLOR DOS SANTOS

Fundadora e atual Presidenta da UNIDASE da Casa Janaina Dutra. Realiza trabalhos e prevenção em DST/AIDS. Promove assistência ás trans vitimas  de violência, além de coordenar projetos de testes de HIV com fluido oral.

Cinematógrafo na Saladearte (sáb, 7/4) exibe “Homem Comum” (2014), de Carlos Nader. Confira o TRAILER e nota dos curadores:

O Cinematógrafo na Saladearte de março, por conta da semana santa, acontece excepcionalmente no primeiro sábado de ABRIL, dia 7, às 16h30, no Cinema do Museu.

Captura de Tela 2018-03-28 às 19.59.02

Nota dos Curadores do Cinematógrafo, Fabricio Ramos e Camele Queiroz, sobre “Homem Comum”:

Há mais de 20 anos, o cineasta Carlos Nader começou a se aventurar pelas estradas e rodovias do Brasil profundo, interpelando caminhoneiros, estabelecendo com eles conversas triviais até que, repentinamente, redirecionava a conversa para o tema das inquietações existenciais e da sensação de estranhamento diante do enigma da vida.

Num primeiro olhar, suspeitamos que Nader quer fazer expressar-se, através de um choque de sensibilidades distintas que um encontro entre um cineasta sofisticado e um simples caminhoneiro produz, o pensamento daqueles que não estariam “destinados” a pensar. Quê angústias metafísicas, que questionamentos existenciais, um homem ou uma mulher voltados para o aspecto prático da vida expressam e como os expressam?

A atitude de desbravamento de Nader, que inicia um incerto e peculiar road-movie, reconduz os caminhos do próprio filme, transformando a experiência do cineasta a partir de seu encontro com Nilson, o caminhoneiro Nilsão. Emerge entre eles uma espécie de amizade aparentemente destoante, mas fortalecida por algum mistério, por um fascínio mútuo que os une ao longo de uma aventura compartilhada que se estende de 1995 até 2012. Uma aventura que, nas palavras de José Miguel Wisnik sobre “Homem Comum”, realiza “uma extraordinária aproximação ao princípio que reconhece o caráter impenetrável do cotidiano, ao mesmo tempo que o caráter cotidiano do impenetrável”.

É a angústia existencial do cineasta que o move a questionar Nilson sobre a vida, mas é a presença da morte, em meio às tragédias de uma vida como tantas outras, que faz Nilson procurar o cineasta depois de vários anos.

Trata-se de um encontro mediado pelo cinema, não só pelo fazer cinema próprio de Carlos Nader, mas pela inserção, no filme em si e na relação de Nader com Nilson, de cenas do clássico do cinema mundial “A Palavra” (Ordet, 1955), do diretor dinamarquês Carl Theodor Dreyer. Neste clássico, a falta de sentido do mundo e o absurdo da vida são enfrentados e sofridos por seus personagens que, diante do acontecimento fatídico da morte, conclamam, de forma conflituosa e desesperada, o misterioso salto de fé.

São muitas as questões que “Homem Comum”enseja, sobre a vida e a morte, sobre as visões de mundo e sensibilidades marcadas por diferenças profundas, mas unidas, de um modo inalcançável, por um sentimento universal diante de uma vida enigmática, embora carregada de exigências práticas que, não raro, parecem soterrar o caráter impenetrável do cotidiano, mas não resistem a algo mais profundo, mais forte, que em certos momentos arrastam a todos nós para a espiral de uma outra visão da vida e do mundo.

Mas uma das questões que aparecem se dá no campo sensível que subverte as relações e os lugares que certa ordem do mundo define para cada sujeito: precisamente a questão de uma não-adesão fundamental à ordem das coisas que une, essencialmente, o cineasta existencialmente angustiado e o caminhoneiro que diz sequer ter a capacidade de sonhar.

Depois de ver o filme, fica-nos, entre outros sentimentos, o reconhecimento íntimo de que o tema das relações e das diferenças, em vários níveis, oferece mais complexidade do que admitem certos discursos eruditos, e nos sentimos animados a ampliar, a partir de nós mesmos até o outro mais distante, a dimensão das grandes questões, dos grandes sentimentos, que não são grandes por serem raros ou profundos, mas por se fazerem essencialmente presentes em todos nós, mulheres e homens comuns.

TRAILER:

 

SOBRE O CINEMATÓGRAFO

O Cinematógrafo, uma mostra de filmes independente sob curadoria de Camele Queiroz e Fabricio Ramos, cineastas e curadores de Salvador. A iniciativa independente começou no Rio Vermelho, na Casa 149. Ali, num esquema artesanal de montagem de estrutura de projeção, realizou-se sessões durante seis meses, desde dezembro de 2016. Em julho de 2017, fomos convidados a realizar o Cinematógrafo no Cine XIV, sala no Pelourinho, em parceria com o Circuito Saladearte. Com o incêndio que consumiu o Cine XIV, interrompemos os encontros para os retomarmos, neste ano de 2018, no Cinema do Museu, sempre no último sábado de cada mês, às 16h30. O objetivo é, a partir de filmes de variados temas e formas, promover conversas sobre as relações do cinema com questões da vida e suas relações com a arte.
Localização:

“Quarto Camarim” tem sessões em Porto Alegre, João Pessoa e Fortaleza na primeira semana de abril

Já confirmadas nesta segunda etapa de exibição, o filme será exibido em Porto Alegre, no dia 04 de abril, na Cinemateca Capitólio, às 19h30.

Em João Pessoa no dia 05, no Cine Bangüe; e em Fortaleza no dia 06 de abril, no Cine Dragão do Mar.

Em Belo Horizonte, a sessão acontecendo em 27 de abril, no Cine Humberto Mauro. Ainda com datas a definir para o mesmo mês, a Sessão Abraccine acontecerá, também, em Aracaju, Brasília, São Paulo e Recife.

Quarto Camarim

Após sessões e debates em seis capitais brasileiras pela terceira edição da Sessão Abraccine, evento promovido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema, o longa metragem Quarto Camarim, de Fabricio Ramos e Camele Queiroz, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016terá em abril exibição em mais oito cidades, fechando um total de 14 capitais.

Já confirmadas nesta segunda etapa de exibição, o filme será exibido em Porto Alegre, no dia 04 de abril, na Cinemateca Capitólio, às 19h30. O debate será mediado pela crítica de cinema, filiada à Abraccine, Adriana Androvandi, e contará com a presença da também crítica e mestre em Educação pela UFRS, com pesquisa em Cinema e Educação, Juliana Costa.

em João Pessoa no dia 05, no Cine Bangüe; e em Fortaleza no dia 06 de abril, no Cine Dragão do Mar. Outra capital já com data confirmada é Belo Horizonte, que terá sua sessão…

Ver o post original 166 mais palavras

Sessão Abraccine exibe “Quarto Camarim” em Salvador no dia 27 de março

Depois de passar por festivais internacionais e de exibições em várias cidades brasileiras promovidas pela Sessão Abraccine, “Quarto Camarim” tem sessão especial em Salvador, no Cinema da UFBA – Saladearte

QUARTO CAMARIM_FRAME_LUMA

Como parte da terceira edição da Sessão Abraccine, projeto de difusão promovido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), o longa metragem Quarto Camarim, de Fabricio Ramos e Camele Queiroz, será exibido em Salvador no dia 27 de março (terça), às 19h, no Cinema da UFBA – Saladearte.

O debate pós-sessão contará com a participação da dupla de cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos. O papo será mediado pelo professor Djalma Thürler, do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e professor associado do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal da Bahia. A entrada é gratuita.

Após participação em três festivais internacionais, com sessões ocorrendo na Venezuela, na República Dominicana e no Canadá, o filme participa de um ciclo de exibições que vem sendo realizadas, entre março e abril deste ano, em diversas capitais brasileiras. Como parte dos eventos, debates com a presença de importantes nomes da crítica e o público presente serão realizados ao final de cada sessão. O filme já teve sessões Abraccine em Goiânia (GO), São Luís (MA), Florianópolis (SC), Rio de Janeiro (RJ) e Belém (PA). Ainda irá, em datas a serem definidas, para Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS), Recife (PE), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Natal (RN).

ABRACCINE geral

Para o presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema, Paulo Henrique Silva, a Sessão Abraccine busca apresentar um olhar diversificado sobre os filmes. “A produção no país continua forte, mas a reflexão cinematográfica, fundamental para a construção de uma identidade brasileira nas telas, vem sofrendo um grande déficit, com filmes entrando e saindo de cartaz sem o devido debate”, afirma Paulo Henrique.

Sobre Quarto Camarim

Quarto Camarim é o primeiro longa-metragem dos diretores Camele Queiroz e Fabricio Ramos. O filme, por meio de uma abordagem documental, mostra o reencontro, depois de vinte e sete anos, entre uma sobrinha, que é a própria diretora, e a sua tia, com quem não manteve nenhum contato desde a sua infância. Sua tia se chama Luma, é travesti, trabalha como cabeleireira e vive em São Paulo.

Poster Quarto CamarimNarrativamente, o filme assume contornos dramáticos e estéticos que partem de uma relação corpo a corpo entre duas individualidades, cujas tensões são mediadas pelo próprio cinema. O resultado, segundo a dupla de cineastas, é uma obra de mise-en-scène compartilhada entre a diretora e a tia, que protagonizam o longa. Sem abrir mão da abordagem temática sensível de impacto político e social, Quarto Camarim elabora cinematograficamente um testemunho de vivência pessoal e íntima.

Para a dupla de cineastas, a iniciativa da Sessão Abraccine tem um impacto de mudança de paradigma, num cenário no qual são conhecidas as imensas dificuldades que um longa independente enfrenta para obter visibilidade no cenário cultural. “Há uma dupla importância na ação da entidade que, além de promover o acesso a um público variado, de diferentes cidades em diferentes salas (um público provavelmente mais diversificado do aquele predominante nos festivais),valoriza o estatuto da crítica (eventualmente diminuído nos festivais pelas pressões naturais de curadorias e júris), aproximando a perspectiva da crítica à intervenção aberta do público, já que o evento estimula a participação do público nas conversas após cada sessão,com a presença de outros debatedores e mediadores além do próprio crítico de cinema”, afirmam Camele e Fabrício.

 Sobre o mediador convidado:

DJALMA THÜRLER é especialista em gestão e políticas culturais pela Universidade de Girona (ES), investigador pleno do CULT – Centro de Pesquisa Multidisciplinar em Cultura, da UFBA e investigador colaborador do ILCML – Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, da Universidade do Porto (Portugal). É diretor artístico e dramaturgo da ATeliê voadOR Companhia de Teatro (www.atelievoador.com.br) com estágio de Pós-Doutoramento em Literatura e Crítica Literária pela PUC/São Paulo. É professor permanente do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e professor associado do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal da Bahia. Coordena o CuS – grupo de Pesquisa em Cultura e Sexualidade (UFBA).

Sobre o Rumos Itaú Cultural

O Itaú Cultural mantém o programa Rumos desde 1997. Este que é um dos primeiros editais do Brasil para a produção e a difusão de trabalhos de artistas, produtores e pesquisadores brasileiros, já ultrapassou os 52 mil projetos inscritos vindos de todos os estados do país e do exterior. Destes, foram contempladas mais de 1,3 mil propostas nas cinco regiões brasileiras, que receberam o apoio do instituto para o desenvolvimento dos projetos selecionados nas mais diversas áreas de expressão ou de pesquisa.

Os trabalhos resultantes da seleção de todas as edições foram vistos por mais de 6 milhões de pessoas em todo o país. Além disso, mais de mil emissoras de rádio e televisão parceiras divulgaram os trabalhos selecionados.

Nesta edição de 2017-2018, os 12.616 projetos inscritos serão examinados, em uma primeira fase seletiva, por uma comissão composta por 40 avaliadores contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país.

Em seguida, passarão por um profundo processo de avaliação e análise por uma Comissão de Seleção multidisciplinar, formada por 22 profissionais que se inter-relacionam com a cultura brasileira, incluindo gestores da própria instituição.

 

“Muros” e “Profissão de vaqueiro” são exibidos no Fórum Social Mundial 2018

FSM evento

Como parte da programação do Fórum Social Mundial 2018, que acontece em Salvador, serão exibidos, no evento “A Cidadania e a Identidade Social”, dois filmes dirigidos pelos cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos: “Muros” (24min, 2015), que estabelece uma relação entre Brasil e Palestina a partir do olhar do fotógrafo Rogério Ferrari; e “Regulamentação da Profissão de Vaqueiro” (30min, 2013), que acompanha a viagem de vaqueiros do nordeste ao Senado Federal para acompanharem a regulamentação da profissão.

Depois da sessão haverá debate com os diretores. A mediação é de Paulo A. Magalhães, Professor e jurista, com largo histórico de atuação nos movimentos de luta pela terra, e do antropólogo Washington Queiroz, referência no tema dos saberes e fazeres dos vaqueiros do sertão.

O evento, proposto ao Forum Social Mundial pelo CINEJU – o Cinema através do olhar jurídico (FTC – Comércio), coordenado pelo prof. Paulo A. Magalhães, acontece no dia 13 de março, às 9h, no Auditório do Pavilhão de Aulas Glauber Rocha (PAF III), no Campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O Fórum Social Mundial (FSM) é um evento altermundialista organizado por movimentos sociais de vários continentes, com objetivo de elaborar alternativas para uma transformação social global. Seu slogan é Um outro mundo é possível.

“Quarto Camarim” terá sessões em cinemas de 13 cidades do país na terceira edição da Sessão Abraccine

Do site da ABRACCINE

Quarto Camarim, longa de estreia dos cineastas Fabricio Ramos e Camele Queiroz, terá exibição em treze cidades brasileiras na terceira edição da Sessão Abraccine. Na primeira etapa, o filme, inédito no Brasil, será exibido em Goiânia, São Luís,  Florianópolis, Rio de Janeiro, Belém, Porto Alegre e Salvador durante o mês de março. Na segunda fase, que acontece no mês de abril, Quarto Camarim contará com Sessões Abraccine em São Paulo, Recife, Fortaleza, Brasília, Belo Horizonte e João Pessoa, sendo estas com datas ainda a serem definidas.

Quarto Camarim frame 4

Começa nessa segunda-feira, a terceira edição da Sessão Abraccine, evento promovido pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). O longa metragem Quarto Camarim, de Fabricio Ramos e Camele Queiroz, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016terá sua exibição em mais de dez cidades brasileiras durante os meses de março e abril.

Na primeira etapa, o filme, inédito no Brasil, será exibido em Goiânia, São Luís,  Florianópolis, Rio de Janeiro, Belém, Porto Alegre e Salvador durante o mês de março. Na segunda fase, que acontece no mês de abril, Quarto Camarim contará com Sessões Abraccine em São Paulo, Recife, Fortaleza, Brasília, Belo Horizonte e João Pessoa, sendo estas com datas ainda a serem definidas.

Após participação em três festivais internacionais, com sessões ocorrendo na Venezuela, na República Dominicana e no Canadá, Quarto Camarim terá sua estreia no Brasil, sendo que, juntamente com as exibições, uma série de debates com a presença de importantes nomes da crítica e o público presente serão realizados ao final de cada sessão. No Rio de Janeiro e em Salvador, a dupla de realizadores estará presente para enriquecer ainda mais o debate.

Para o presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema, Paulo Henrique Silva, a Sessão Abraccine busca apresentar um olhar diversificado sobre os filmes. “A produção no país continua forte, mas a reflexão cinematográfica, fundamental para a construção de uma identidade brasileira nas telas, vem sofrendo um grande déficit, com filmes entrando e saindo de cartaz sem o devido debate”, afirma Paulo Henrique.

Poster Quarto Camarim

Quarto Camarim é o primeiro longa-metragem dos diretores Camele Queiroz e Fabricio Ramos. O filme, por meio de uma abordagem documental, mostra o reencontro, depois de vinte e sete anos, entre uma sobrinha, que é a própria diretora, e a sua tia, com quem não manteve nenhum contato desde a sua infância. Sua tia se chama Luma, é travesti, trabalha como cabeleireira e vive em São Paulo.

Narrativamente, o filme assume contornos dramáticos e estéticos que partem de uma relação corpo a corpo entre duas individualidades, cujas tensões são mediadas pelo próprio cinema. O resultado, segundo a dupla de cineastas, é uma obra de mise-en-scène compartilhada entre a diretora e a tia, que protagonizam o longa. Sem abrir mão da abordagem temática sensível de impacto político e social, Quarto Camarim elabora cinematograficamente um testemunho de vivência pessoal e íntima.

Para a dupla de cineastas, a iniciativa da Sessão Abraccine tem um impacto de mudança de paradigma, num cenário no qual são conhecidas as imensas dificuldades que um longa independente enfrenta para obter visibilidade no cenário cultural. “Há uma dupla importância na ação da entidade que, além de promover o acesso a um público variado, de diferentes cidades em diferentes salas (um público provavelmente mais diversificado do aquele predominante nos festivais),valoriza o estatuto da crítica (eventualmente diminuído nos festivais pelas pressões naturais de curadorias e júris), aproximando a perspectiva da crítica à intervenção aberta do público, já que o evento estimula a participação do público nas conversas após cada sessão,com a presença de outros debatedores e mediadores além do próprio crítico de cinema”, afirmam Camele e Fabrício.

Sobre o Rumos Itaú Cultural

O Itaú Cultural mantém o programa Rumos desde 1997. Este que é um dos primeiros editais do Brasil para a produção e a difusão de trabalhos de artistas, produtores e pesquisadores brasileiros, já ultrapassou os 52 mil projetos inscritos vindos de todos os estados do país e do exterior. Destes, foram contempladas mais de 1,3 mil propostas nas cinco regiões brasileiras, que receberam o apoio do instituto para o desenvolvimento dos projetos selecionados nas mais diversas áreas de expressão ou de pesquisa.

Os trabalhos resultantes da seleção de todas as edições foram vistos por mais de 6 milhões de pessoas em todo o país. Além disso, mais de mil emissoras de rádio e televisão parceiras divulgaram os trabalhos selecionados.

Nesta edição de 2017-2018, os 12.616 projetos inscritos serão examinados, em uma primeira fase seletiva, por uma comissão composta por 40 avaliadores contratados pelo instituto entre as mais diversas áreas de atuação e regiões do país.

SERVIÇO
O QUE: SESSÃO ABRACCINE: QUARTO CAMARIM, DE FABRICIO RAMOS E CAMELE QUEIROZ
QUANDO:  MARÇO E ABRIL
HORÁRIO:  A DEFINIR EM CADA CIDADE
ONDE: SÃO LUÍS, FLORIANÓPOLIS, GOIÂNIA, RIO DE JANEIRO, BELÉM, PORTO ALEGRE, SALVADOR, SÃO PAULO, JOÃO PESSOA, BRASÍLIA, FORTALEZA, BELO HORIZONTE, RECIFE.

PRIMEIRA ETAPA:
05/03 – Goiânia e São Luís.
06/03 – Florianópolis.
16/03 – Rio de Janeiro.
20/03 – Belém.
22/03 – Porto Alegre.
27/03 – Salvador.

Do site da ABRACCINE

“Quarto Camarim” em BH: filme participa da 4ª Mostra de Cinema Feminista entre 08 e 16 de março

Captura de Tela 2018-02-22 às 12.06.58

Quarto Camarim” participa da 4ª Mostra de Cinema Feminista, que acontece em Belo Horizonte de 08 a 16 de março de 2018.  A Mostra, que apresenta uma programação diversificada que reúne longas e curtas brasileiros e de outros países, acontece no Sesc Palladium. A sessão de “Quarto Camarim” será no dia 11 de março (dom), às 19h.

A programação completa da 4ª Mostra de Cinema Feminista pode ser conferida no site da mostra e também na respectiva página do Facebook.

Finalizado em 2017, “Quarto Camarim” é o primeiro longa-metragem dos diretores Camele Queiroz e Fabricio Ramos. O filme, por meio de uma abordagem documental, mostra o reencontro, depois de vinte e sete anos, entre uma sobrinha, que é a própria diretora, e a sua tia, com quem não manteve nenhum contato desde a sua infância. Sua tia se chama Luma, é travesti, trabalha como cabeleireira e vive em São Paulo.

Poster Quarto CamarimNarrativamente, o filme assume contornos dramáticos e estéticos que partem de uma relação corpo a corpo entre duas individualidades, cujas tensões são mediadas pelo próprio cinema. O resultado, segundo os próprios cineastas, é uma obra de mise-en- scène compartilhada entre a diretora e a tia, que protagonizam o longa. Sem abrir mão da abordagem temática sensível de impacto político e social, “Quarto Camarim” elabora cinematograficamente um testemunho de vivência pessoal e íntima.

Contemplado pelo Rumos Itaú Cultural 2015-2016, “Quarto Camarim”, além da da 4ª Mostra de Cinema Feminista de Belo Horizonte, participou de mostras oficiais de festivais internacionais, com sessões ocorrendo na Venezuela, na República Dominicana e no Canadá.

 

Cinematógrafo na Saladearte de fevereiro (sáb, 24) exibe “Como na Canção dos Beatles: Norwegian Wood” (2010)

Obra de forte expressão poética constrói uma história de amor em torno da tragédia e da sexualidade como dimensões da vida. A sessão acontece no sábado (24), às 16h30, na Saladearte Cinema do Museu (Corredor da Vitória, em Salvador).

Captura de Tela 2018-02-14 às 12.35.43

Nota dos curadores do Cinematógrafo:

Música, literatura e cinema: uma célebre canção dos Beatles empresta seu nome ao best-seller do escritor japonês Haruki Murakami, obra que o diretor franco-vietnamita Tran Anh Hung adapta para o cinema. Norwegian Wood (traduzido no Brasil como ‘Como na Canção dos Beatles: Norwegian Wood’), lançado em 2010, foi indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza daquele ano e, desde então, vem causando impressões controversas na crítica e no público.

Se a proposta do Cinematógrafo na Saladearte é ensejar boas conversas sobre as relações do cinema com a vida e com as outras artes, Norwegian Wood nos oferece um leque exuberante de motivos: se leitores de Murakami questionam a força dramática da adaptação cinematográfica da obra literária, cabe aos amantes do cinema reclamar a especificidade da obra cinematográfica e as razões do diretor, considerado um esteta que, marcadamente, valoriza a intensidade visual, a presença da sensualidade na narrativa e o rigor na composição dos quadros, mis-èn-scene e dramaturgia.

Narrada por Watanabe, a trama se passa no Japão do efervescente ano de 1967 e se inicia a partir da relação triangular entre o protagonista narrador e um casal de amigos, Naoko e Kisuki, que se conhecem desde a primeira infância e se convertem em amantes desde cedo. Um acontecimento trágico transtorna a relação entre Watanabe e a sua amiga Naoko, que se separam para depois se reencontrarem e, juntos, redescobrirem a sexualidade, o sentido do amor e, cada um a sua maneira, enfrentarem a tragédia que se abateu sobre eles.

norwegian-wood-1

O que Tran Anh Hung nos oferece é um filme conscientemente moderno que se desvirtua dos clamores pós-modernos, por assim dizer, construindo personagens trágicos que vivem dramas existenciais alheios às conturbações estudantis de jovens que declinam discursos ideologizados, armados de certezas e que rechaçam as nuanças individuais em nome das lutas efetivamente políticas. O pano de fundo das vigorosas manifestações estudantis nas ruas de Tóquio contra a guerra do Vietnã, participando de um movimento globalizado de contestação política e de transformação de valores, substancia metaforicamente o processo drástico de transformação individual de Watanabe. Trata-se de um filme sobre amadurecimento emocional a partir do sofrimento, da experiência mesma de viver entre o afã de comunhão e de solidão, entre o erotismo transcendental e o desejo sexual que resulta de uma necessidade misteriosa e produz prazer, mas também frustração, medo e dor.

Norwegian Wood reflete, esteticamente, um tipo de realismo imaterial, com pouco ou nenhum espaço para a fantasia, mas carregado de sensorialidade musical e visual. A direção e composição da trilha sonora é assinada por Jonny Greenwood, guitarrista da banda inglesa Radiohead, e a fotografia ficou a cargo do experiente taiwanense Mark Lee Ping-bing. O resultado do conjunto do trabalho sonoro e fotográfico, aliado ao naturalismo da dramaturgia, é uma obra de forte impacto poético e emocional.

Aliás, no que se refere ao impacto emocional, este se impõe e exige um lugar especial que motivará, em nossa opinião, conversas enriquecedoras, controversas e vitais: afinal, o que Norwegian Wood nos propõe é uma reflexão poética e trágica sobre os modos como absorvemos as nossas próprias dores, como enfrentamos as nossas dúvidas e anseios, como convivemos com as fatalidades que fazem reluzir as difíceis realidades com as quais nos deparamos e que precisamos inescapavelmente enfrentar, em meio aos nossos ardentes desejos de comunhão constituintes de nossa vida ontologicamente solitária. Em suma, o filme nos leva a refletir sobre como a vida nos torna o que somos, a cada momento.

TRAILER:

SOBRE O CINEMATÓGRAFO

O Cinematógrafo, uma mostra de filmes independente sob curadoria de Camele Queiroz e Fabricio Ramos, cineastas e curadores de Salvador. A iniciativa independente começou no Rio Vermelho, na Casa 149. Ali, num esquema artesanal de montagem de estrutura de projeção, realizou-se sessões durante seis meses, desde dezembro de 2016. Em julho de 2017, fomos convidados a realizar o Cinematógrafo no Cine XIV, sala no Pelourinho, em parceria com o Circuito Saladearte. Com o incêndio que consumiu o Cine XIV, interrompemos os encontros para os retomarmos, neste ano de 2018, no Cinema do Museu, sempre no último sábado de cada mês, às 16h30. O objetivo é, a partir de filmes de variados temas e formas, promover conversas sobre as relações do cinema com questões da vida e suas relações com a arte.
 

O CINEMATÓGRAFO RETORNA NO DIA 26 DE JANEIRO, NO CINEMA DO MUSEU

A partir deste mês de janeiro, o Cinematógrafo passa a acontecer no Cinema do Museu, sala do Circuito Saladearte, que fica no Corredor da Vitória. As sessões são mensais, na última sexta-feira do mês, às 20h40.

A sessão de retomada do Cinematógrafo será no dia 26/1, com o filme “A Ghost Story” (2017), de David Lowery, que estava programado para a sessão de dezembro, cancelada por conta do incêndio que consumiu o Cine XIV. O filme, que é uma alegoria sobre a transitoriedade das coisas e a fugacidade de tudo, suscitará questões que remeterão à destruição do Cine XIV. Compareçam! A sessão promete uma boa experiência e uma conversa daquelas.

Nota dos curadores Fabricio Ramos e Camele Queiroz:

Ela (Rooney Mara) e ele (Casey Affleck) são um jovem casal que se prepara para mudar de casa, quando ele morre, num banal acidente de carro. Ela tenta superar a perda repentina, enquanto vive o luto. Ele, entretanto, reaparece na forma de um fantasma silencioso, e volta a habitar a casa em que moravam, oculto em uma dimensão inacessível para ela. Através de deslocamentos temporais, o filme expande o drama pessoal do fantasma até um nível cósmico, oscilando entre apegos às histórias de uma vida e o vislumbre da eternidade. Logo somos instados a acompanhar a “existência” de um fantasma de aspecto cômico, mas que nos atrai por sua dimensão trágica e por sua presença muda e enigmática.

Difícil de classificar, “A Ghost Story”, escrito e dirigido por David Lowery, recorre à iconografia dos fantasmas de quadrinhos infantis: o lençol branco com dois buracos vazios na altura dos olhos. Mas o fantasma de Affleck, embora mudo (será mesmo Affleck ali o tempo todo?) transmite, em seu silêncio e passividade, uma melancolia penetrante que, de imediato, embaralha os códigos da representação arquetípica.

Aliando temas metafísicos com uma subversão paródica de filmes de fantasma, “A Ghost Story” tem sido apontado como um entre vários filmes de um sub-gênero emergente, classificado como pós-terror, que substitui os sustos e as criaturas horripilantes por dramas existenciais em relação com os medos sociais profundos (A Bruxa, de Robert Egger, é um exemplo, e It Comes at Night, de Trey Edward Shults, outro).

31f50cb4-8e05-11e7-9f40-4d9615941c08imagehires171317

De fato, não obstante a atmosfera indie, uma das cenas de “A Ghost Story” reproduz as típicas assombrações do tipo Poltergeist, embora pelas vias de uma rotação de perspectiva que desloca o lugar do fantasma na ação. Outras referências estéticas mais ou menos evidentes são os filmes de Apichatpong Weerasethakul (certa naturalização do sobrenatural me lembrou “Tio Boonmee”), e os filmes de horror psicológicos de Kubrick, em The Shining, e de Polanski, especialmente o da chamada “trilogia do apartamento”, destacando o famoso O Bebê de Rosemary.

Mas, muito embora o filme de Lowery nos apresente efetivamente uma história de fantasma, ele desvia das convenções do cinema de terror, ignora seus códigos e regras básicas, e constrói um filme sobre a transitoriedade das coisas e a fugacidade de tudo, em contraste com a nossa vontade de permanência e não aceitação da finitude que nos encerra, tal como faz com o fantasma do filme, em uma temporalidade múltipla e sem fim, sem qualquer finalidade que não seja uma desesperada espera por algo que pode não ser nada.

Podemos, se quisermos, avaliar se “A Ghost Story” traduz, com eficácia cinematográfica, uma reflexão filosófica ou poética. Ou, criticamente, discutir se certos elementos estéticos e escolhas narrativas incorrem em clichês pontuais. Trata-se, aliás, de um filme bem modesto, sob todos os aspectos. Mas a amplitude de seus temas, mesmo abordados com simplicidade dramática (que se expressa por vias de uma montagem bem conduzida e de uma sensorialidade moderada, mas marcante), aciona os nossos próprios fantasmas e nos fazem pensar, inclusive partindo de alguns sinais narrativos que o filme sugere, sobre as nossas relações espirituais com o tempo e a finitude, que definem a vida destinada, como tudo, a passar.

SOBRE O CINEMATÓGRAFO

Nós iniciamos o Cinematógrafo, uma mostra de filmes independente, no Rio Vermelho, na Casa 149. Ali, num esquema artesanal de montagem de estrutura de projeção, realizamos sessões durante seis meses, que começaram em dezembro de 2016. Até que, em julho de 2017, fomos convidados a realizar o Cinematógrafo no Cine XIV, que ofereceu, através de uma gentil parceria, toda a estrutura da sala para as exibições e para as conversas que sucediam as sessões. Com o incêndio que consumiu o Cine XIV, interrompemos os encontros para os retomarmos, neste ano que se inicia, no Cinema do Museu, nas noites das últimas sextas-feiras de cada mês, até que o Cine XIV seja restaurado e retorne ainda mais bonito, dono de uma história de resiliência de sensível impacto cultural no centro histórico de Salvador!
LOCALIZAÇÃO: