Quarto Camarim entra em cartaz na Saladearte da UFBA no dia 3 de abril

Quarto Camarim

A primeira sessão, na quarta (3), às 19h, contará com a presença dos diretores e bate-papo

Capa

“Quarto Camarim” mostra o reencontro delicado entre uma sobrinha e sua tia, Luma, que é travesti, cabeleireira e performer, depois de 27 anos sem qualquer contato!

Dirigido por Camele Queiroz e Fabricio Ramos, o filme é protagonizado por Lima e pela própria diretora, abordando temas como dramas familiares, conflitos sobre aceitação e relações humanas, temas mediados pelo próprio fazer cinema.

“Quarto Camarim” foi finalizado em 2017 e realizado com o apoio do edital “Rumos – Itaú Cultural”. O longa participou de mostras e Festivais de cinema no Brasil e no exterior, em países como Canadá, Itália, República Dominicana e Venezuela, e foi selecionado também para a terceira edição da Sessão Abraccine, realizada pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema, que exibiu “Quarto Camarim” em cinemas culturais de 14 capitais brasileiras.

O filme entra em…

Ver o post original 33 mais palavras

Anúncios

Cinematógrafo de março (sáb, 30): “Contatos Imediatos do Terceiro Grau”, de Steven Spielberg

O clássico de Steven Spielberg ajudou a refundar a ficção científica no cinema e subverte a lógica do gênero, narrando uma história que congrega intimismo e deslumbramento no encontro entre nós e seres de uma alteridade radical. Contatos Imediatos passa no Cinematógrafo na Saladearte de março, sábado, dia 30.

O clássico de Steven Spielberg ajudou a refundar a ficção científica no cinema e subverte a lógica do gênero, narrando uma história que congrega intimismo e deslumbramento no encontro entre nós e seres de uma alteridade radical. Contatos Imediatos passa no Cinematógrafo na Saladearte de março, sábado, dia 30.

main

O cinema surge revelando registros documentários da realidade, mas logo passa à invenção que marcou o primeiro cinema de arte, o revolucionário Viagem à Lua, de George Meliés, que já nos primeiros anos do século XX abordava a relação do homem com o desconhecido e, inclusive, com seres alienígenas!

O século XX – uma era de extremos – foi marcado por um prodigioso salto de desenvolvimento tecnológico que, como causa e sintoma, produziu novas configurações sociais e culturais resultantes de uma crescente racionalidade técnica, mas também guerras catastróficas, destruição e as maiores ameaças em escalas globais. Na ficção científica, da…

Ver o post original 993 mais palavras

CinematograFinho de março apresenta “E.T – O Extraterrestre” (sábado, dia 16)

# Salvador:

Em março (sáb, 16), “E.T. – O Extraterrestre”, filme que emocionou toda uma geração, poderá ser visto – para muitos, pela primeira vez! – na telona do cinema!

Em seu tom de fábula e aventura, E.T. trata dos dramas da infância e da amizade com um ser adoravelmente feio e cativante, que precisa de ajuda para voltar para casa! Vale destacar a inesquecível trilha sonora que arrebata os espectadores e torna E.T., em seu conjunto, um dos filmes mais memoráveis de todos os tempos, que toca os corações de adultos e crianças, juntos!

A versão apresentada é legendada em português, com áudio original.

A sessão de E.T. – O Extraterestre no CinematograFinho acontece no dia 16/3 (sábado), às 15h, na Saladearte – Cinema do Museu. Os ingressos podem ser comprados antecipadamente em qualquer sala do Circuito Saladearte.

E.T. – O Extraterrestre, filme que emocionou toda uma geração, poderá ser visto – para muitos, pela primeira vez! – na telona do cinema!

Captura de Tela 2019-02-24 às 19.18.09

O Cinematógrafo de março (o finho e o fão) é dedicado a um dos maiores diretores de todos os tempos: Steven Spielberg!

E.T. – O Extraterrestre, de 1982, uma das obras-primas do diretor, conta uma história atemporal e emocionante. O filme marca a volta do diretor à ficção científica depois do elogiado Contatos Imediatos do Terceiro Grau, de 1977, filme que passa no Cinematografão, dia 30 de março. Se em Contatos seu foco foi no mundo dos adultos descobrindo vida fora da Terra, E.T. traz a visão das crianças sobre o mesmo fenômeno.

E.T. conta a história de um simpático extraterrestre perdido na Terra que é ajudado por Elliott (Henry Thomas) e seus irmãos Michael (Robert MacNaughton) e Gertie (Drew Barrymore). Além…

Ver o post original 442 mais palavras

CinematograFinho de fevereiro apresenta: “Castelo no Céu”, de Hayao Miyazaki

CinematograFinho de fevereiro:

Sessão única no dia 9/2 (sábado), às 15h, na Saladearte – Cinema do Museu (Corredor da Vitória – Salvador/Ba).

maxresdefault

Em mais uma parceria pelos Studio Ghibli, o filme é escrito e dirigido por Miyazaki e produzido por Isao Takahata.

O CinematograFinho valoriza tanto o realismo quanto a fantasia na nossa formação de visões de mundo. Por isso, depois de exibir, na sessão de janeiro, o realista “Onde fica a casa de meu amigo”, de Abbas Kiarostami, apresentamos a animação de Miyazaki, que conta a história do encontro de um menino com uma menina que possui um colar mágico, envolvendo uma espécie de cidade flutuante – o castelo no céu – que muitos julgam ser apenas uma lenda, mas que guarda um poder extraordinário.

Além de ser mais uma obra-prima do lendário criador dos Studio Ghibli, “Castelo no Céu” traz uma atmosfera mágica de fantasia, mas se fundamenta sempre em aspectos…

Ver o post original 209 mais palavras

CinematograFinho de janeiro apresenta: “Onde fica a casa de meu amigo?”, de Abbas Kiarostami

CinematograFinho de janeiro: 2019 começa com “Onde fica a casa de meu amigo?”, de Kiarostami

“Onde fica a casa de meu amigo?” é uma bela parábola sobre a inocência das crianças em contraste com a intransigência dos adultos. Um drama luminoso que valoriza o olhar da criança e para ser visto por crianças e adultos juntos.

g4173

Essa história de amizade e cumplicidade juvenil valeu ao diretor iraniano o Leopardo de Ouro e uma menção especial do júri no Festival de Cinema de Locarno. A história centra-se no desejo do pequeno Ahmed (Babek Ahmed Poor) de devolver um caderno perdido a Mohamed Reda Nematzadeh (Ahmed Ahmed Poor), um colega de escola. Essa missão tem uma importância singular: se Mohamed não tiver o caderno com os trabalhos de casa todos feitos no dia seguinte, vai ter um castigo muito severo na escola. Uma história simples mas sublime num filme modesto. Destaque para a interpretação das crianças, que conseguiram captar e transmitir a sua vulnerabilidade num mundo caótico.

Ver o post original 53 mais palavras

Cinematógrafo de dezembro: FEBRE DO RATO

Cinematógrafo de dezembro: FEBRE DO RATO

Claudio Assis não é um diretor de consensos, “Febre do Rato” tampouco. O Cinematógrafo de dezembro (sáb, 29) exibe o filme não por sua novidade, mas por sua força poética; menos por sua vontade de provocação do que por sua permanência política, no sentido estético do termo, que propõe ao espectador que ele também faça a sua “performance” diante do que vê na tela, liberando-se de qualquer servidão narrativa.
 
Nosso encontro é no dia 29, o último sábado do mês e do ano, às 16h30, na Saladearte – Cinema do Museu.
Captura de Tela 2018-12-16 às 11.35.41
 
Que as conversas, divergentes e/ou convergentes, ressoem até o Cinematógrafo 2019, que trará novidades para consolidarmos juntos esse espaço de encontro presencial mediado pelo cinema.
 

O CINEMATÓGRAFO NA SALADEARTE

O Cinematógrafo acontece mensalmente na Saladearte — Cinema do Museu (Corredor da Vitória), sempre no último sábado do mês, exibindo filmes de formas e temas diversificados. A curadoria é…

Ver o post original 51 mais palavras

“Quarto Camarim” na Itália: o longa participa do 11º Omovies, em Nápoles

Captura de Tela 2018-12-10 às 17.54.10

Depois de passar por diferentes festivais de cinema nas três Américas, Quarto Camarim desembarca na Europa: o filme participa da Mostra Oficial do 11º OMOVIES, Festival Internacional de cinema dedicado a temas e questões LGBTQ+.

Captura de Tela 2018-12-06 às 19.02.47Quarto Camarim passa no dia 11 de dezembro no Rainbow Center Napoli, via Antonio Genovesi 36 Napoli – Ingresso gratuito. Confira a programação no site do Omovies.it!

O filme narra a aproximação entre uma sobrinha, a diretora do filme, e sua tia Luma, depois de vinte e sete anos sem contato. Ambas protagonizam o filme, cada uma a sua maneira, cientes das tensões e aproximações que uma relação emergente tão delicada implica.

Quarto Camarim é o primeiro longa dos cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos. Entre abril e maio de 2018, o filme foi apresentado em cinemas culturais de 13 capitais brasileiras, pela Sessão Abraccine, iniciativa da Associação Brasileira de Críticas de Cinema para a difusão de filmes independentes. As exibições da Sessão Abraccine pelo Brasil foram sempre seguidas de debate com o público, com a presença de convidados especiais e mediadas por um crítico associado da Abraccine.

Além disso, o filme passou por Festivais de cinema no Canadá, na Venezuela, na República Dominicana e diferentes mostras no Brasil, como a 4a. Mostra de Cinema Feminista, em Belo Horizonte; a Mostra Transdocumenta, em São Paulo; e o XVI Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador.

Em breve, Quarto Camarim estará em cartaz em salas de cinema culturais no Brasil. Acompanhe as informações nas nossas redes sociais, clicando nos ícones no topo da página.

Poster Quarto Camarim

“Quarto Camarim” participa de festivais de cinema em Salvador e em Nápoles, na Itália

Quarto Camarim participa da mostra competitiva baiana do XIV Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador, e da Mostra Oficial do 11º Omovies, que acontece em Nápoles, na Itália.

Quarto Camarim

Quarto Camarim participa da mostra competitiva baiana do XIV Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador, e da Mostra Oficial do 11º Omovies, que acontece em Nápoles, na Itália.

Captura de Tela 2018-11-01 às 08.52.08

O primeiro longa de Camele Queiroz e Fabricio Ramos mostra a reaproximação de uma sobrinha – a própria diretora – com a sua tia Luma, depois de 27 anos sem qualquer contato. Para os diretores, trata-se de um filme proposta, que conjuga a vida mesma e a criação cinematográfica, o que resultou numa obra que abrange temas políticos, familiares e sobre o próprio fazer cinema.

Em novembro, “Quarto Camarim” participa da Mostra Baiana do XIV Panorama Internacional Coisa de Cinema, em Salvador, e em dezembro, da Mostra Oficial do 11º Omovies, que acontece em Nápoles, na Itália.

Em Salvador, as sessões do Panorama contarão com a presença dos diretores:

Dia 18/11 (domingo) às 17h30 – na Sala 2 do Espaço…

Ver o post original 88 mais palavras

Sessão de MUROS (2015) em Vitória da Conquista, BA

De 11 a 13 de setembro, o campus da UESB em Vitória da Conquista sediará a Jornada de Fotografia e Cinema

Captura de Tela 2018-09-05 às 08.24.45

Será realizada entre os dias 11 e 13 de setembro de 2018, a Jornada de Fotografia e Cinema. MUROS (2015), dirigido por Camele Queiroz e Fabricio Ramos e com a participação do fotógrafo Rogério Ferrari, passa no dia 11.9, a partir das 19h.

No dia 12.9, Rogério Ferrari participa do evento e lança o livro “Parentes” às 19h30, na Cazazul Teatro Escola. O livro traz fotografias tiradas em comunidades indígenas na Bahia compondo um trabalho que Rogério realiza há vários anos junto aos povos e movimentos sociais em luta por terra e auto-determinação.

A programação completa, bem como os detalhes sobre inscrição nas oficinas, podem ser acessadas o site da UESB.
 

Sessão “Double Bill” na Saladearte Cinema da Ufba promove reflexão sobre a utopia e o desencanto dos anos 1960

“Paris nos Pertence”, longa de estreia de Jacques Rivette, e o documentário “Morrer aos 30 anos”, de Romain Goupil; são as atrações da sessão do dia 26 de agosto, às 10h. Um ingresso dá direito a ver os dois filmes.

Captura de Tela 2018-08-08 às 14.42.55

Após 50 anos, os ecos de maio de 1968 continuam a reverberar, seja como promessa utópica ou realidade desencantada. Para refletir e agregar novos olhares à questão, dois filmes e um breve bate-papo trazem de volta a atmosfera da década de 1960. Trata-se de mais uma Sessão “Double Bill”, o projeto que movimenta a Saladearte Cinema da Ufba, no domingo (26/08), a partir das 10 horas da manhã, com apoio da Cinemateca da Embaixada da França, no Rio de Janeiro.

No programa, um dos filmes inaugurais do movimento cinematográfico conhecido como Nouvelle Vague, “Paris nos Pertence”, primeiro longa de Jacques Rivette. Completa a sessão, um dos mais contundentes retratos geracionais do período, o documentário “Morrer aos 30 anos”, de Romain Goupil. O público de Salvador vai poder ver as duas obras com um só ingresso. É o conceito da “Double Bill”, que remonta as dobradinhas criadas nos EUA, nos anos 40.

Na versão baiana das tradicionais sessões duplas, além dos filmes, uma apresentação e um bate-papo com o público são organizados pelos curadores do evento, os cineastas Fabricio Ramos e Camele Queiroz e o crítico de cinema Adolfo Gomes. É uma pequena maratona de imersão no cinema, através da filosofia, literatura e outras abordagens transversais — mas com direito a um intervalo de 20 minutos entre os filmes, para o lanche e maior interação dos presentes. A novidade da sessão do dia 26 de agosto é a participação do psicanalista e cinéfilo Lucas Jerzy, que mantém o blog de crítica cultural “O último Baile dos Guermantes” em http://www.ultimobaile.com/ , na condução dos debates.

Cópias restauradas

Como observado por François Truffaut na época do seu lançamento, “Paris nos Pertence” representa a possibilidade do cinema ao alcance de todos, a utopia da mudança de comportamento, da vida material, a partir da linguagem cinematográfica. Ao lado do documentário “Morrer aos 30 anos”, datado de 1982, mas cujos registros remontam o espírito de 1968; essas obras constituem um precioso instantâneo da esperança e do desencanto daquela década. E um atrativo adicional é a disponibilização, por parte da Cinemateca da Embaixada da França no Rio de Janeiro, de cópias restauradas dos dois filmes, trazidas ao Brasil especialmente para a sessão.

Filmes: “Paris nos Pertence”, de Jacques Rivette, e “Morrer aos 30 anos”, de Romain Goupil. Apoio: Cinemateca da Embaixada da França no Rio de Janeiro.

Sinopses dos filmes:

Paris nos Pertence (Paris Nous Appartient, FRA, 1961). Direção: Jacques Rivette. Ficção, 141 minutos. Classificação: 14 anos

Sinopse — Jovem estudante encontra por acaso um grupo de teatro que ensaia exaustivamente, mas sem recurso algum, a peça “Péricles”, de Shakespeare. Quando aceita atuar se descobre envolvida numa misteriosa conspiração política.

Morrer aos 30 anos (Mourir à 30 ans, FRA, 1982). Direção: Romain Goupil. Documentário, 95 minutos

Sinopse — Após o suicídio de seu amigo Michel Récanati, Romain Goupil se interroga a respeito de seu passado militante na extrema esquerda da CAL (Comités d’action lycéens). Ele insere em meio a imagens de assembleias gerais e manifestações em torno de 1968, documentos íntimos e depoimentos de antigos companheiros que partilharam desse momento. Em forma de filme, Goupil traça o retrato de uma geração. Câmera de Ouro no Festival de Cannes de 1982.