Ilhéus recebe Mostra de Cinema no Terreiro de Odé

Logo ilustração bambu

A mostra de filmes CINE ODÉ – Cinema no Terreiro fará do Terreiro de Odé, em Ilhéus, um espaço cultural voltado para o cinema e dedicado a filmes que estimulam a valorização e o conhecimento das culturas religiosas brasileiras de matrizes africanas e indígenas.

A mostra acontece de janeiro a junho de 2016, sempre no último final de semana de cada mês, com sessões aos sábados e aos domingos, abertas ao público gratuitamente e com a presença de convidados especiais para um bate-papo depois das projeções. Serão exibidos, durante as várias sessões da Mostra, 16 filmes entre curtas  e longas metragens, animações, documentários e ficções. As primeiras sessões acontecem nos dias 30 e 31 de janeiro, sábado e domingo respectivamente, sempre às 17 horas.

Captura de Tela 2016-01-14 às 19.34.09ACESSO: O evento disponibiliza uma van para facilitar o acesso do público ao local da mostra. O Terreiro de Odé, localizado no bairro Alto do Basílio, é um dos mais tradicionais terreiros de Ilhéus. Fundado em 1942 por Pedro Faria, conhecido como Pai Pedro, enfrentou graves dificuldades depois da trágica morte de seu fundador, que chocou a cidade. Hoje, o terreiro tenta se consolidar como espaço cultural, através do Instituto de Solidariedade Pedro Faria, voltado para a memória dos Orixás e da obra de Pai Pedro.

A Mostra Cine Odé tem curadoria de Camele Queiroz e Fabricio Ramos, organizadores da mostra e cineastas que, entre outros filmes, realizaram o curta As Cruzes e os Credos (2014), gravado, em sua maior parte, no próprio Terreiro de Odé. Para os diretores, fazer o filme, partindo da impactante morte de Pai Pedro, se tornou uma descoberta e um encontro inesperado com o sagrado e o mistério. As Cruzes e os Credos, que foi exibido no V Feciba – Festival de Cinema baiano 2015 e em festivais de Cinema na Colômbia e na Bolívia, integra a programação da Mostra Cine Odé, que apresenta também uma diversificada filmografia baiana e de outras partes do país.

Todas as informações e a programação completa podem ser acessadas no site da mostra: https://cineodeblog.wordpress.com/

Ou pelo telefone (73) 98110-5773, para falar diretamente com os organizadores ou produtores da Mostra Cine Odé.

O projeto Cine Odé – Cinema no Terreiro é uma realização do Bahiadoc – Arte Documento e teve apoio financeiro do Fundo de Cultura da Bahia, através do edital público de Agitação Cultural 2015 da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

As Cruzes e os Credos (prévia): filmar é ir a um encontro inesperado

O resgate do tema de um curta universitário que o realizador gravara dez anos antes o coloca em busca do reencontro de uma história. Fazer o filme se torna um encontro inesperado com o sagrado e o mistério.

 

Texto de Fabricio Ramos, realizador*:

Em 2003, fui pela primeira vez na vida num terreiro de candomblé: eu estava fazendo um filme sobre a repercussão das mortes, em dias imediatamente consecutivos daquele ano, de um conhecido Pai de Santo de Ilhéus, o Pai Pedro, e do Bispo emérito da cidade, Dom Valfredo Tepe. Fui a Igrejas e depois fui ao Terreiro de Odé, a casa de Pai Pedro, onde o babalorixá tinha sido assassinado. Cidade chocada. Terreiro de Luto, não pude entrar nem gravar nada. Era um vídeo universitário., de viés político: buscava evidenciar, a partir da repercussão das mortes do babalorixá e do Bispo, a marginalização do Candomblé frente a oficialidade dedicada à Igreja por parte dos poderes institucionais, imprensa, sociedade.

Dez anos se passaram. Em 2013, resolvemos retomar o tema e fazer um outro filme partindo do mesmo tema, já em outro contexto, passado o impacto inicial que a cidade sofreu com a perda de dois de seus ícones religiosos.

Eu e Mel resolvemos, então, levantar recursos para viajar de Salvador até Ilhéus. Iniciamos uma campanha de financiamento coletivo através da internet e conseguimos dinheiro para custear a viagem, e também apoio de amigos na forma de trabalho voluntário (Juliana Freire, produtora, viajou conosco) e de hospedagem solidária (a amiga Lú nos ofereceu todo o conforto). O cineasta Henrique Dantas emprestou equipamento de áudio, e a DIMAS – Diretoria de Audiovisual e Multimeios da Fundação Cultural da Bahia emprestou equipamento de iluminação, através do Núcleo de Apoio à Produção Independente.

Decidimos ir a Ilhéus sem pesquisa prévia, passar lá uma semana, câmera na mão, buscando reencontrar a história. Eis que a história esperava por nós. Lugares inesperados, improvisos, sentimentos: a busca do filme faz surgir novos acontecimentos, novas experiências. Filmar o curta “As Cruzes e os Credos” foi ir a um encontro inesperado, mas no fundo, secretamente esperado por cada um que participou desse encontro. Mas um filme é um filme, que fale por si.

A ideia do filme é provocar uma reflexão através de nossa própria experiência de fazer o filme. Uma reflexão que envolve as raízes de nossa cultura afroíndia, o compromisso dos adeptos com o Sagrado, e o lugar do cinema, ou de um certo cinema.

Nossos agradecimentos a todas e todos que confiaram na proposta e apoiaram direta ou indiretamente a realização do filme.

AS CRUZES E OS CREDOS (site)

Roteiro, Direção e Edição: fabricio ramos e camele queiroz
Produção: juliana freire
Câmera e Direção de Fotografia: fabricio ramos
Som Direto e Montagem: camele queiroz